segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

ENTREVISTA COM O CAMPEÃO 2009


Quando e como você começou a voar?
Eu voo desde 1985. Meus instrutores foram os irmãos Laghi da Prodelta, André e Lula. Tudo começou numa brincadeira de amigos ! Nós gostávamos de mergulhar, e um deles teve a idéia de voar de asa. Como sempre gostei de aventuras topei na hora. Desta turma só eu continuei a voar, alguns nem se formaram.

De qual clube você é associado?
Sou sócio do Clube do Gavião. Um clube com uma infra-estrutura muito boa, com decolagens para todos os lados, além de ser um dos melhores picos de voo do Brasil.

Como é seu ritmo de vôo, treinamentos?
Eu costumo voar o circuito brasileiro e o paulista. Entre estas datas faço vôos para o xcbrasil e o xcampeoanto paulista, além de testar e regular asas.

Então você não voa simplesmente por prazer, por exemplo, só para curtir o visual?
Muito raramente, não sobra tempo. Mas eu sei que é um momento da minha carreira como piloto, quando meu ritmo de competições diminuir terei mais tempo para esses vôos.

Onde você costuma voar regularmente?
Como eu moro em São Paulo, quando vou fazer um bate e volta, vou para Atibaia, que é bem perto, quando vou ficar mais dias vou para Andradas.

Você tem que idade? E pretende competir até quando?
Eu tenho 41 anos. Enquanto eu tiver disponibilidade de tempo, saúde, condições financeiras, apoio e principalmente muita motivação, estarei competindo.

Este ano você tem colecionado excelentes resultados (Campeão Brasileiro + Campeão Paulista + Líder no XCampeonato). A que atribui isto?
É o resultado do investimento e da dedicação que eu venho tendo com o esporte durante esses anos todos, sabe, experiência acumulada, muitas horas de voo. O apoio da minha família e da minha equipe, Ondas do Ar / Moyes são fundamentais e me ajudaram muito.

Você tem se dado bem nas competições de triangulação e nas provas de Cross Country também, quais as características que diferenciam os dois tipos de provas ?
As provas de triangulação, são provas de velocidades você compete mais diretamente com outros pilotos, tem que ter sangue frio pra voar no bolo e acelerar mesmo a asa em determinadas situações. Já as provas de Cross são como maratonas, provas muito longas onde é fundamental você se manter no ar até a última térmica do dia, além de procurar fazer uma boa velocidade média, você normalmente voa mais sozinho e tem liberdade para escolher o caminho.

Tem algo específico que você mudou este ano na sua tática de voo?
Este ano eu busquei consolidar algumas coisas importantes. Hoje, a partir do momento que a comissão de pilotos definiu a prova, eu não penso em nenhum momento que a prova foi mal escolhida que deveria ser assim ou assado, ou que o dia não está ruim para voar. Esses pensamentos não ajudam em nada e só vão te levar para o chão mais cedo. O importante é que o dia é igual para todos e quem fizer o melhor de si terá mais chances de ganhar.
Outra coisa é não pensar no gol na hora errada. Eu divido a prova em várias tarefas a serem executadas, uma por uma. A montagem da asa no local e hora certa, colocar a prova nos equipamentos com calma, analisar a condição, decolar na hora certa, se posicionar bem no starting gate, muita atenção aos indicativos da condição, pilotos, urubus, sol, vento, relevo, caprichar em cada térmica e etc. A chegada no gol é simplesmente a última conseqüência de tudo que você fez durante a prova.

Quem foi seu principal adversário em 2009?
No paulista foi o Michel Louzada, e no brasileiro o Dorival Agulhon, dois excelentes pilotos que poderiam ter ganhado também.

Qual é o seu planejamento para 2010?
Lembra, uma coisa de cada vez, agora estou pensando no XCeará que começa dia 21 de novembro.

Ano passado você ganhou o XCeará, vai repetir a dose este ano?
Vou me esforçar para isso claro, mas talvez eu invista num voo mais longo, decolando mais cedo. Mas os riscos de você pregar e perder o dia são grande, você pode comprometer a competição, mas também se acertar na veia....segura! Vai longe pra c...!, ai sim! Sei lá, vamos ver como vai rolar lá em Quixadá.

O que você busca no esporte?
O vôo livre é um esporte extremamente saudável, para o corpo e principalmente para a mente. Um esporte totalmente ligado a natureza, ecologicamente correto. Eu nunca encontrei em outro esporte o prazer que sinto numa competição de asa delta. Eu busco o bem estar.

Já tomou algum susto?
Susto não, mas já dei alguns crashes fortes, já abri o reserva dando looping já bati na rampa. Foram todos acidentes causados por tentar ir além do limite, então não considero susto. Eu assumi tais riscos em me dei mal, ponto.
Susto é quando você é surpreendido por algo inesperado Graças a Deus eu nunca quebrei um osso voando. Quando andava de MotoCross vivia de gesso.

Dicas para os pilotos menos experientes que estão procurando evoluir nas competições?
Normalmente o caminho é bastante longo e difícil, até você estar voando nas primeiras colocações regularmente, mas vale muito a pena para quem é apaixonado pelo esporte. Curta as roubadas, aproveite a vida, não desanime com um prego, os pilotos de ponta também pregam. Amanhã é outro dia, você pode pregar novamente hehehehe ou fazer o melhor vôo da sua vida!!!

O que você acha dos competidores e do cenário de competição hoje no Brasil?
Os pilotos são muito legais, cada um com suas características, claro. É uma mistura muito heterogênea de pessoas, gente de todo canto do Brasil, com culturas e maneiras muito diferentes, umas das outras. Eu aprendo muito com as pessoas. Cada dia conheço mais gente bacana no voo, é o maior barato. Esse é um dos principais elos que me mantém no esporte, o alto astral.
Quanto ao cenário, o ano que vem deve ser um ano de muita disputa para as vagas do mundial 2011 que será realizado em Monte Cucco na Itália, local onde o Brasil foi campeão mundial. Muita gente vai querer estar na próxima equipe, vai ser um puta campeonato!

E a família, deve sentir sua falta durantes as viagens, ou eles viajam com você ?
Quando meus filhos eram menores eles viajavam mais para as competições. Agora os meninos têm 16 e 13 anos e já tem bastantes compromissos com os estudos, cursos, esportes e amigos. Ficou mais difícil para eles acompanhar o voo. Eu tenho ficado muito tempo voando, procuro, quando estou com minha família dar bastante atenção a eles. Minha esposa sempre me apoio e me ajuda demais!

Bate-bola:

Três Picos de vôo no Brasil:
Andradas, Quixadá e Brasília.

Três excelentes pilotos de asa:
Três é muito pouco. Poderia falar mais de 10 fáceis. Mas vamos lá:
Betinho(8), Nenê(5) e André Wolf (3). Somando são (16), repito, 16 títulos brasileiros !!! Não é mole não!

Uma temporada inesquecível:
Essa é fácil...2009

Um evento:
A última prova do Paulista 2009 em Andradas. Eu já decolei campeão e queria ganhar também a etapa. Desconcentrei-me e larguei muito atrasado ai, por um momento foi f....!, mas eu me concentrei, busquei inspiração nesses três que citei ai e em muitos outros campeões brasileiros. Funcionou e fiz uma das melhores provas da minha vida. E, para coroar minha mulher e meus filhos estavam lá, foi show!

Um medo:
Nenhum assim que fica na cabeça. Ah! Tenho medo de pousar e enfiar o pé num buraco ou pisar numa cobra! Hehehe

Algo mais a dizer aos pilotos?
Espero poder fazer um p... vôo de Cross com vocês, pousar no fim de tarde, na p... que p..., voltar tomando todas com o vôo fazendo as nossas cabeças !!!

Que seu próximo vôo seja ainda melhor!

Marcelo Morganti Ferro
Moyes Litespeed RS 4
Equipe Ondas do Ar / Spot
marcelomferro@uol.com.br